Dizem que não existe felicidade mas sim, apenas momentos felizes.
Este é um conceito absolutamente equivocado. Existe sim felicidade. O que precisamos é compreender o que esta palavra de fato significa no contexto da vida.
Muitas pessoas erroneamente entendem felicidade como sendo momentos de êxtase, resultado de alguma circunstancia ou acontecimento.
No entanto e importante reconstruirmos este conceito de modo a liberamo-nos dessas limitações.
Quando colocamos condições para sentirmo-nos felizes, estas acabam por nos prender dentro de um campo que pode acarretar muita frustração e um profundo descontentamento com a vida.

Acontecimentos como por exemplo: um evento, casamento, uma festa, formatura, compra da casa própria, aquisição de um bem desejado, uma viagem ou ate mesmo um amor novo. Todas essas circunstancias podem trazer grande prazer na vida, mas isso não é felicidade. Este sentimento chama-se prazer. É um sentimento diferente de felicidade.
Pode-se também chamar de êxtase se este sentimento for exacerbado. Mas veja, estes sentimentos vêm acompanhado de um pico hormonal. Quando nos sentimos em estado de êxtase, nossos hormônios da “felicidade” como: endorfina, ocitocina, dopamina e serotonina estão em alta. Todo nosso corpo está funcionando dentro desses parâmetros hormonais. Porém, para que se mantenha a homeostase do corpo, inevitavelmente essa curva hormonal terá que baixar para voltar aos níveis normais. Como esta curva atingiu níveis altíssimos, ao baixar, sentimos gravemente a diferença especialmente em nosso humor.

Dai deriva a ideia de que felicidade não é uma constante mas apenas momentos, “picos”, e uma hora acaba.
Este conceito é extremamente errado e limitante.
A felicidade ao contrario deste conceito, é uma constante sim, é um estado de equilíbrio, paz e harmonia em todos os aspectos da vida.
Este sentimento é o mais sublime e leve que podemos sentir. E um estado de plenitude e contentamento profundo. E uma conexão com o seu verdadeiro eu, com seu sentido de vida, com seu propósito de vida. Este sentimento vem acompanhado de um sentimento de bem estar.

Não quer dizer todavia, que você mesmo sendo uma pessoa feliz não possa ter problemas, ou estar descontente com algum aspecto de sua vida. Porém quer dizer que, apesar de algum aspecto de sua vida não ir tão bem como você desejaria, os outros aspectos não são afetados, e você consegue prosseguir dentro de um ponto de equilíbrio.

Ninguém consegue ser cem por cento feliz o tempo todo em absolutamente todos os aspectos da vida. É natural que a vida oscile, assim como é natural que você consiga fluir junto com essas oscilações sem perder o eixo, o foco, o contentamento e a paz interior.

Para que conheçamos a verdadeira felicidade é importante que reavaliemos nossos níveis de cobrança e expectativas. É importante que aprendamos a ter olhos mais generosos diante da vida e de toda abundância que temos.
Quando conseguimos desenvolver o sentimento da gratidão, conseguimos perceber que temos muito mais do que realmente precisamos. Conseguimos compreender que a vida faz mais sentido se focarmos nas coisas que realmente importam e são mais permanentes como por exemplo as relações humanas, nossa missão aqui na Terra e nosso verdadeiro dom.

Quando descobrimos o que realmente estamos fazendo aqui nesta vida, para que realmente estamos aqui, então descobrimos o verdadeiro sentido da felicidade, pois percebemos que este sentimento já não representa mais conquistas materiais ou momentos de êxtase mas sim, o mais profundo sentindo da vida.

E você é uma pessoa feliz?